segunda-feira, 29 de junho de 2009

O pop rock virgem dos Jonas Brothers

“Lines Vines and Trying Times” é o nome do novo CD dos Jonas Brothers, pra ser sincero com vocês eu não conhecia o trabalho dos meninos, exceto por “When You Look Me in The Eyes”, e o fato de eles usarem um ‘anel de pureza’ que significa que eles só vão transar quando casar... sem comentários, Ok? Fiquei surpreso com o que ouvi, um som de alta qualidade com referências do melhor do rock clássico sem deixar de ser pop. Só peca um pouco nos vocais à Nick Carter, mas ainda sim compõe um som harmônico.

Este é o quarto cd da banda que ficou mais conhecida pela atuação no filme “Camp Rock” da Disney, a partir de então eles não saem das paradas.

O álbum começa com “World War III”, ótima música pra abrir, os metais trazem leveza ao som pesado; “Paranoid”vem mais light com pegada mais pop, embora seja uma das mais fracas do álbum foi escolhida como o primeiro single; “Fly With Me” tem um arranjo de piano, a música é um pop/ rock legal de se ouvir.

Um dos destaques do álbum é a faixa “Poison Ivy” com fortes referênias ao rock clássico, o final da música ainda tem um “Gimme some poison, baby” finalizando com um acorde de guitarra. Muito bom.

A música “Hey baby “ tem umas leves influências do blues e seus metais melódicos dando um diferencial à faixa.

“Before The Storm” junta os dois maiores fenômenos 'teen' da atualidade: Jonas Brothes e Miley Cyrus, (a Hanna Montana, do seriado da Disney que passa na Globo), é uma baladinha pop/rock romântica, particularmente não gostei muito mas, se lançada, tem grande potencial de sucesso.

As musiquinhas melosas do CD ficam por conta de “Black Keys” e “Turn Right”, principalmente na segunda dá até pra ver as fãs chorando ao som dessa música. Destoa um pouco do resto do álbum, mas não chega a fugir totalmente do estilo.

“Don't Charge Me for the Crime” mistura um pouco com hip-hop e traz os vocais do rapper Commom, tem um efeio estranho de eco na voz do vocalista do Jonas Brothers, apesar de um pouco ousada não é muito boa.

O CD fecha com um bônus “Don’t Speak” na linha mais lenta e finalmente “Keep Real” da um up no final, metais e uma pegada mais feliz, pop, bem legal.

Lines Vines and Trying Times surpreende pela maturidade e qualidade do material, um ótimo CD de pop/rock com diversas influencias que vão do blues ao country, mas tudo muito fiel ao rock, não chega a ser aquela coisa super produzida do pop e nem tão cru quanto o rock puro. Vale a pena conferir.

Preço Médio: R$29,00

Vamos falar da virgindade dos meninos e do som legal que eles fazem? Comenta, vai? ;)

quinta-feira, 25 de junho de 2009

Morte do Rei do POP

como vocês já devem ter percebido, este blog não se destina exatamente as noticias do mundo pop, mas hoje o acontecimento pede uma exceçao...

Morre aos 50 anos, o maior ícone da música pop mundial, Michael Jackson.

O cantor foi encontrado inconsciente em sua casa nos Estados Unidos, foi socorrido mas as tentativas de reanimação não obtiveram exito.

Michael se preparava para uma série de 50 shows em londres, com ingressos já esgotados. A temporada teria inicio no dia 12 de julho.

O mundo perde um grande performer. Um dos maiores artistas que já vimos.

quarta-feira, 24 de junho de 2009

Clipe novo da Ciara com Missy Elliott - Work



Se reerguendo depois do flop da música “Go girl” que nem entrou na traking list do seu novo CD “Fantasy Ride” (em breve crítica aqui no UltraMegaPOP), ciara vem se dando muito bem nos seus últimos lançamentos primeiro com “Love, Sexy, Magic” uma colaboração com Justin Timberlake e agora, voltando à sua antiga parceira Missy Elliott. O resultado é o esperado, como tudo o que Missy Elliott coloca a mão, a música é bem louca muito dançante e conseguiu juntar bem os estilos Ciara e Missy.

O clipe é um capítulo à parte, os pontos altos, como sempre, são as seqüências de dança que Ciara executa melhor do que ninguém. O vídeo me lembrou um pouco “Diva” de Beyoncé, penso que pelo figurino extravagante e exótico e a postura semelhante das cantoras. O conceito é, basicamente, Ciara e suas colegas de trabalho da construção civil trabalhando e dançando ao ar livre. Missy só entra pra dar o ar da graça na sua parte da música e dessa vez não participa da dança, o que é uma pena. O resultado é um clipe muito legal de ser visto tanto pela coreografia quanto pelo visual e a melodia fica na cabeça depois que você termina de assistir. Confere aí!

Por falar em Ciara, ela está muito bem abrindo a parte européia da turnê de Britney Spears, arrasando na dança e cantando tudo ao vivo! Aqui e aqui uns vídeos gravados por fãs.

Deixa seu comentário falando da Ciara.

segunda-feira, 22 de junho de 2009

Diva futurista: Chris...ops Lady Gaga

Lady Gaga veio pra dar uma sacudida no mundo pop que andava meio sem cor ultimamente. Com suas roupas completamente extravagantes, totalmente futuristas e som diferente vem ditando as novas tendências do pop.
Seu álbum The fame chegou em primeiro lugar em vinte paises, e trás como primeira música de trabalho a contagiante “Just Dance”, música com pegadas eletro e dance, muito boa.

O CD segue com a ótima “Love Game”, continuam na mesma linha pra dançar: “Beautifil Dirty Rich”, “The Fame” e o outro grande sucesso “Poker Face”.

A faixa “Eh Eh (Nothing Else I Can Say)", também lançada, de todo os singles é a mais fraca até então, mas o clipe compensa pelo visual e a performance de lady Gaga O single mais recente do álbum é "Paparazzi" que segue a mesma linha de "Eh Eh",música mais ou menos com ótimo vídeo . “Money Honey” é bem pop/dance e merecia ser lançada também.

A música não é lá grandes coisas mas o conceito do vídeo com a sonoridade do álbum vai mudando ao longo das músicas pra uma coisa mais crua e chegada ao pop rock. “Again Again” trás um arranjo de piano com influencias jazz meio retrô e um toque mais rock com seus riffs de guitarra; já “Boys Boys Boys” termina caindo na repetição dance/eletro das outras faixas e não trás nada de realmente novo ao CD. “Brown Eyes” é uma supresa, uma balada romântica pop/rock bem leve toatalmente diferente do estilo das outras faixas. Finalmente “I Like it Rough” retoma ás primeiras canções do cd mesclando com o estilo das últimas fechando bem o “The Fame”

Lady Gaga volta com o conceito de artista pop visual, seus clipes tem um apelo sexy e cores vibrantes com uma vibe bem atual. A artista se mostra muito talentosa tanto como performer (cantora e dançarina) como instrumentista e compositora, compondo, inclusive, para Britney Spears. Diferenciando-se das coisas mais manufaturadas e pouco originais que estão na cena pop atual.

Ultimamente a mídia vem comparando Lady gaga à Madonna devido ao seu forte lado sexual e sua tendência a fazer moda e polêmica, particularmente eu acho que é querer comparar demais. Obviamente, como toda cantora pop, Lady Gaga tem suas influencias e Madonna indiscutivelmente é uma delas, mas não a ponto de gerar comparações.


Meses atrás Christina Aguilera apareceu com um visual bem parecido com o da interprete de “Poker Face” e a música “Keeps Getting Better”, seu último single, é pop/eletro, por acaso (ou não) muito parecida com o estilo Lady Gaga, recentemente anunciou que seu próximo trabalho será nessa mesma linha e com visual futurista. Influência? Coincidência? Nunca vamos saber. Quando perguntada sobre o seu visual semelhante à outra cantora, Christina respondeu que não sabia nem de quem se tratava. A gente acredita? Como diria Copélia...Prefiro não comentar. Olha só a foto ai de lado e tire suas próprias conclusões.



Dá uma olhada aqui na performance fantástica da Lady Gaga, ontem no Much Music Awards cantando “Love Game” e “Poker Face” e confere por que está todo mundo falando nela.

Voltando ao álbum, “The fame” vale a pena ser ouvido, é um ótimo CD Pop pra dançar e curtir a bela voz da lady Gaga. A cantora já anunciou para os próximos meses o relançamento do álbum com o nome “The fame: Monster” com mais seis faixas inéditas.

Preço médio: R$28,00


Vamos falar mal da Lady Gaga? Ou elogiar o álbum? Não se reprima, comenta aí!

sábado, 20 de junho de 2009

Corram!! É a dominação das bonecas!


Entrando na onda de Beyoncé, Rihanna, Chis Brown e tantos outros, de lançar o mesmo álbum inúmeras vezes para alavancar as vendas, as Pussycat dolls lançam o seu Doll Domination 2.0.

Trata-se de uma versão mais enxuta do álbum original que já tinha sido relançado em versão Deluxe com faixas solos de cada integrante (pasmem!), mas que nem assim ajudou nas vendas que continuaram a cair single após single.

O Doll Domintation 2.0 veio na onda oportunista de regravar às pressas uma versão da trilha sonora do filme ganhador do Oscar “Quem quer ser um milionário?” chamada “Jai Ho (You Are My Destiny)”. A estratégia até que deu certo e o resultado é uma ótima musica pop com influencias indianas que ficou sendo o primeiro single do relançamento.

O CD segue com as já conhecidas pelo público “When I Grow Up”, “Bottle pop” e o único single que se deu realmente bem da versão anterior “I Hate This Part". O álbum conta ainda com outras faixas remanescentes do último trabalho: a chatíssima “Halo”; “Takin' Over The World”, ótima música que conta com os raros vocais de Melody numa pegada mais Urban e que a meu ver merece ser lançada; e “I’m done”...comentario? ZZZZZZzzzzzzzZZZZZzzzzzz

Hush, Hush; Hush Hush” é o lançamento mais recente, a faixa não é exatamente nova, mas passou por uma repaginada, foram adicionadas batidas up-tempo a partir do refrão, ganhou também os vocais e samples do clássico dos anos 70 “I will survive” de Gloria Gaynor. Música muito legal, boa pra dançar e ouvir, o sample garante que você se identifique com a música mesmo sem conhecer a princípio.

A parte realmente inédita do cd ficam por conta das músicas “Top of the world” (pop dançante que lembra o auge desse estilo nos anos 90); “Painted Windows” com suas batidas eletro dance meio Lady Gaga, porém que não chega a ser tão boa quanto as da cantora.

No final das contas o relançamento ganha um novo fôlego com o corte das faixas e o acréscimo dessas poucas. O álbum ficou mais dançante, com mais Hits e mais curto. A pegada ficou mais POP e animada. Agora até vale a pena comprar pra dançar um pouco e ouvir Nicole “cantar” e as outras fazerem “uhh, aaaah, lalala”.


No Brasil não foi lançada a versão deluxe com cd bônus dos solos, o Doll Domination 2.0, chega com o nome de “Doll domination: New edition” e simplesmente foram acrescentadas as faixas, cortadas pouquíssimas e o cd termina com 19 músicas. Desnecessário e cansativo.

Preço médio
R$ 27,00

Falar mal da Nicole? Ama Pussycat dolls? Num sabe nem o que elas “cantam”, comenta aqui!

quarta-feira, 17 de junho de 2009

Novo single da Mariah Carey!!!

Mimi está voltando e tentando se recuperar do Flop do seu último trabalho (por escolha errada das músicas, insisto em dizer, já que o CD tem ótimas canções, mas foram lançadas as mais fracas). A nova música se chama “Obsessed” e estreou nas rádios americanas ontem. A faixa no estilo RnB mostra Mariah cantando com tons mais graves sem as notas altas e as firulas pelas quais é famosa, muito pelo contrario, está usando efeitos robóticos na voz em algumas partes.

Já ouvi alguns fãs comentando que a letra foi feita para Eminem, dizendo que ele está obcecado por ela, que ele não impressiona ninguém e coisas do gênero. Os dois tiveram um affair mal resolvido anos atrás com direito às velhas provocações do rapper e uma suposta resposta da Mariah na música “Clown” do CD “Charmbracellet”.

Voltando ao lançamento, o single não é nada muito inovador nem diferente, dessa vez Mariah só fez mais do mesmo, tenho até impressão de já ter ouvido algo parecido antes. Vamos esperar pra ver se emplaca... Tô pagando pra ver.

Esta é a capa do single: Mariah com pouca roupa, pagando de gostosa pra variar.

Clica aqui pra fazer o download e ouvir.

E aí? O que acharam? Vai pro topo ou flopa? dá a tua opinião aqui nos comentários.

terça-feira, 16 de junho de 2009

Quem é Sasha Fierce?

Essa pergunta rolou na Internet há um tempo, e quem responde pra gente é nada menos que Beyoncé em seu novo álbum: I am... Sasha Fierce. E de onde surgiu esse personagem? Pra quem não conhece muito, a Beyoncé sempre falou nessa Sasha ao longo da carreira, é uma espécie de alter ego da cantora, que segundo a mesma, faz as ‘caras e bocas’ e coreografias sexy. Sasha é o lado Diva da “tímida” Beyoncé. A gente nota isso nesse mais novo álbum da cantora.

O “I am...Sasha Fierce” já sai nas lojas com duas edições: a Standard e a Deluxe edition, ambos duplos sendo o deluxe com 5 faixas a mais distribuídas entre os cds . Nas duas versões existe uma divisão entre as músicas, podemos dizer que são 2 albuns difentes: o I am Beyoncé e o I am Sasha.

No primeiro a gente ouve uma Beyoncé mais intimista, com letras sobre relacionamentos e amores, mais madura. Cheia de baladas esta parte do álbum valoriza os dons vocais da cantora, tem arranjos bem trabalhados apesar de se tornar um tanto entediante ao longo do álbum (se você não estiver atento, às vezes nem percebe se é a mesma música ou se já trocou de faixa). Mas este cd também tem seus pontos altos. Destaque para o primeiro single “If I Were a boy” que tem uma leve influência country em seus arranjos de guitarra, a música é bem chatinha na minha opinião, mas caiu no gosto do mundo e foi bem nos charts; outra música que também merece ser ouvida é “Ave Maria”, com seu ousado sample da clássica versão que toca no rádio todo dia às 6 horas; por fim a balada que está sendo bem executada ultimamente: “Halo”,incluída como trilha sonora de caminho das índias.

A segunda parte do CD: I am Sasha, trás a velha Beyoncé que conhecemos, com letras sexy e batidas fortes. Existem umas inovações no estilo nessa parte do álbum, como a maioria das cantoras atuais, Beyoncé também buscou influencias na musica eletrônica e adicionou essas batidas ao seu velho RnB (vide “Sweet Dreams”, faixa bem fraca diga-se de passagem). Em algumas faixas o Black aparece mais puro, relembrando a Beyoncé dos velhos tempos. Destaque para “Diva” e “Radio” e a chiclete “Single Ladies”

O “I am...Sasha Fierce” vem com um esquema de divulgação não convencional: são lançadas duas músicas de cada vez, uma de cada álbum e em suas apresentações a cantora está com uma luva metálica e roupas preto e brancas ou em tom de cinza. E todos os clipes lançados exceto “Halo” são nessas cores também, seguem uma linha simplista com pouco ou nenhum cenário Porque? Só Sasha sabe.

Os ciples da parte “I am Sasha” exitem duas bailarinas, muita coreografia e...Só; já as baladas tem uma produção mais apurada, mas terminam caindo na mesmice piegas das músicas românticas. Quer conferir os clipes lançados até agora?
Na ordem:

Single ladies / If I Were a Boy
Diva / Halo
Ego / Broken-hearted girl

No final das contas I am...Sasha Fierce é um cd bom, surpreendente até certo ponto mas nada que a gente fique muito impressionado.

Preço médio
Versão Standard: R$ 20,00
Versão Deluxe: R$25,00

Tem alguma teoria sobre o alter ego da Beyoncé? Sabe por que raios é tudo preto e branco e tem uma luva de metal? Quer simplesmente falar alguma coisa? Vai aqui nos comentários ;)

domingo, 14 de junho de 2009

O Circo da princesinha do POP


A Britney, bitch está de volta com seu tão esperando álbum Circus. Seguindo a mesma linha eletro pop do álbum anterior e com algumas influencias urban e dance, Britney trabalhou com produtores conhecidos (como Danja e seu velho companheiro Max Martin) e outros nem tanto pra fazer um álbum bem atual, redondinho, que cumpre seu papel.

Para primeiro Single foi escolhida a música “Womanizer”. Boa música pop, com a velha repetição chiclete que não vai sair da sua cabeça por um bom tempo depois que você escutar (Womanizer, Womanizer, Womanizer, Womanizer, Womanizer...) letra simples, batidas fortes, marcantes e dançantes. Ótima escolha para o retorno.

O álbum segue com a música título do “Circus”, uma das faixas destaque do CD escolhida como segundo single.

A polêmica do CD fica por conta de “If You Seek Amy” que faz um trocadilho com F.U.C.K me, tirando essa pequena sacangem a música é até bem inocente, legal, e o clipe é bem interessante.


Circus continua em seus altos e baixos ao longo das faixas, as baladas, deixadas de lado no último trabalho, reaparecem (“Out from under” e “My baby”) , porém elas continuam dispensáveis, Junto com “Mmm papi”, “Lace and leather” e o bonus muito questionado pelos fãns “Radar” (remanescente do trabalho anterior “Blackout”) já anunciado como quarto single.

Destaque para “Manequim” e “Kill the lights” produções muito bem elaboradas e exploram o melhor lado “música para dançar” da cantora.

A faixa “Blur” com influencias diretas do RnB mostra a Britney louca que não lembra o que fez na noite passada, muito boa a sacada da letra.

A música circus começa falando que “existem dois tipos de pessoas no mundo, as que entretêem, e as que observam” com este álbum Britney veio dizer que ainda faz parte do primeiro grupo. Porém, contraditoriamente, a cantora mesmo sóbria e com seus problemas superados não conseguiu alcançar a qualidade do seu trabalho anterior “blackout”. Será que a Britney drogada é mais exigente? Ou o contrario, nesse álbum ela se envolveu mais deixou a coisa um tanto mais aguada? Nunca vamos saber :P

Preço médio R$ 25,00.

Quer elogiar ou falar mal do “Circus”? Quer esculhambar o blog e o Blogueiro? Escreve pra gente no guest book!

sexta-feira, 12 de junho de 2009

Quem é Bruno Boo?

Oi!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...